| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • Work with all your cloud files (Drive, Dropbox, and Slack and Gmail attachments) and documents (Google Docs, Sheets, and Notion) in one place. Try Dokkio (from the makers of PBworks) for free. Now available on the web, Mac, Windows, and as a Chrome extension!

View
 

CAPÍTULO II: PARTE PRATICA DE MANDOMBE

Page history last edited by leigomesmandombe@gmail.com 1 year, 2 months ago
PARTE I

ESTUDO DE MANDOMBE COMO INSTRUMENTO DO RENASCIMENTO AFRICANO MODERNO

   
CAPÍTULO II                                               

2 ESTUDO PRATICO DE MANDOMBE

2.1 PRINCIPAIS CONCEITOS  DA LINGUAGEM TECNICA DE MANDOMBE                                                                                                                                                                                                          

MOTIVAÇÃO, APRESENTAÇÃO E SAUDAÇÕES   

 

 Olá, sou o Professor Bitombokele Lei Gomes Lunguani, especialista  de Mandombe, há 23 anos. Fui treinado na Universidade Simon Kimbangu, onde fui um dos primeiros discípulos do Professor Wabeladio Payi David.

 

 Minha declaração de compromisso

 Estou totalmente comprometido com o projecto Mandombe, porque estou convencido de que o desenvolvimento da África depende necessariamente do desenvolvimento da identidade cultural e científica dos africanos. E o Mandombe é este instrumento essencial para enfrentar esse desafio.

 

Bem-vindo ao programa de treinamento Mandombe na Universidade Mandombe.

Meu desejo é que   possa também  tornar-se um especialista em Mandombe, qualquer que seja o seu nível de estudo.

 Hoje, nosso curso será baseado no CAPÍTULO 2, vinculado à PARTE PRÁTICA DO MANDOMBE. E estudaremos especificamente o conceito de Mandombe.

 

O vídeo-Lição Nº 1 / ch2-concept mandombe é o código de vídeo

 

 Desejo-lhe um bom estudo!

VIDEO Nº4   
LIÇÃO Nº1-Cap2

Assunto: Estudo do conceito de Mandombe

 

 Para uma melhor compreensão, é necessário definir Mandombe em três perspectivas:

 -Perspectiva etimológica,

 -Perspectiva do Mandombe como conhecimento científico

 -Perspectiva do Mandombe como meio de comunicação

 

 1-Definição etimológica do conceito de Mandombe

 - O conceito de Mandombe é etimologicamente composto por duas palavras: MA e NDOMBE.

 MA é um prefixo da língua Kikongo que expressa o plural e o diminutivo do que pertence a um povo, uma comunidade ou uma pessoa. Nesse sentido, MA pode designar MAMBU ou MASONO

E NDOMBE significa Preto ou Negro.

 

Em resumo, Mandombe significa aquilo que pertence ao Negro, feito e projetado pelo Negro, à maneira do Negro, para o Negro e para a Humanidade.

 

2-Definição de Mandombe como conhecimento científico

 O Mandombe é um conjunto de símbolos geométricos estruturados e coordenados por princípios físicos, formando um sistema que codifica o conhecimento que já existe e o que ainda não existe numa linguagem genuinamente africana. Assim, Mandombe se apresenta como um novo código epistemológico africano.

 

 3-Definição de Mandombe como meio de comunicação

 O Mandombe é um conjunto de símbolos geométricos estruturados e coordenados por princípios físicos, formando um sistema que codifica os sons e tons das línguas de todo o mundo em geral e das línguas africanas em particular.

 Nesse contexto, Mandombe se identifica como uma escrita ou um sistema alfabético.

 

 Num contexto geral, o Mandombe é um novo esquema de desenvolvimento para a Civilização africana moderna. Possui vários títulos e defende a evolução multifacetada da ciência e das artes. É um vasto campo de conhecimentos cujos aspectos fundamentais de sua essência são caracterizados pela sua dupla natureza epistemológica:

 -Mandombe como conhecimento científico

 -Mandombe como meio de comunicação

  

Tendo  em conta a sua natureza matemática, mecânica e física, a escrita Mandombe pode ser considerada a escrita  a mais sofisticada que a Humanidade já conheceu.

Obs.:

 Convido-vos  a consultar a página de divulgação dos eventos do programa de Estudos Africanos. Aqui está o link: https://conferenciasafricaiscte.wordpress.com/entrevista-a-ramon-sarro/

 

Nesta página, encontrarão a entrevista do Dr. Ramon Sarró, um amigo que eu conheci em Luanda, quando ele vinha em Angola  estudar sobre religiões africanas. O governo angolano, através do Instituto de Assuntos Religiosos, o recebeu oficialmente e, no quadro do apoio institucional dos seus estudos, ele foi colocado à disposição da Igreja Kimbanguista como objeto de estudo.

 

E a Igreja Kimbanguista indicou a equipe de Mandombe para responder às perguntas do Dr. Ramon. Para facilitar esta pesquisa, organizamos uma conferência sobre o Projeto de Papa Simon Kimbangu com foco no Mandombe. Como orador principal, contei a ele sobre Papa Wabeladio e o roteiro de Mandombe, o que foi uma óptima notícia autêntica para ele. Isso lhe permitiu entrar em contacto com o Papa Wabeladio dois anos depois. Muito interessado na história do Mandombe, o Dr. Ramon fez uma peregrinação investigativa com o Papa Wabeladio, de Mbanza Ngungu a N´kamba a pé. gravando todas as informações dos acontecimento da Historia de Mandombe.

 O Dr. Ramon tem um grande mérito na História de Mandombe por ter reunido todas as informações relacionadas a Mandombe e aos sites nos quais o Papa Wabeladio experimentou milagres.

 
EXERCÍCIOS   

Recapitulação

 

1- O que Mandombe significa etimologicamente?

 

2- Qual é a definição de Mandombe como conhecimento científico?

 

3- Qual é a  definição de Mandombe como meio de comunicação?

 

4-Quais são os aspectos científicos que fazem de Mandombe, a escrita mais sofisticada da Humanidade.

 
PESQUISAS E INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA 

Pesquisas

Faça as suas pesquisas pessoais com as suas proprias fontes sobre o Mandombe

 

 

Fim da lição Nº 1 do Capítulo II

   
PARTE  I ESTUDO DE MANDOMBE COMO INSTRUMENTO DO RENASCIMENTO AFRICANO MODERNO 
CAPÍTULO II  2 ESTUDO PRATICO DE MANDOMBE

2.1 PRINCIPAIS CONCEITOS  DA LINGUAGEM TECNICA DE MANDOMBE       

MOTIVAÇÃO, APRESENTAÇÃO E SAUDAÇÕES  

Olá, sou o Professor Bitombokele Lei Gomes Lunguani, especialista  de Mandombe, há 23 anos. Fui treinado na Universidade Simon Kimbangu, onde fui um dos primeiros discípulos do Professor Wabeladio Payi David.

 

 Minha declaração de compromisso

 Estou totalmente comprometido com o projecto Mandombe, porque estou convencido de que o desenvolvimento da África depende necessariamente do desenvolvimento da identidade cultural e científica dos africanos. E o Mandombe é este instrumento essencial para enfrentar esse desafio.

 

Bem-vindo ao programa de treinamento Mandombe na Universidade Mandombe.

Meu desejo é que   possa também  tornar-se um especialista em Mandombe, qualquer que seja o seu nível de estudo.

 Hoje, nosso curso será baseado no CAPÍTULO II, vinculado à PARTE PRÁTICA DO MANDOMBE. E estudaremos especificamente os conceitos: Singini, Mvuala, Pakundungu e Pelekete.  

O vídeo-Lição Nº2/ch2-concept mandombe é o código de vídeo

 

 Desejo-lhe um bom estudo!

 
VIDEO Nº5 
 

LIÇÃO Nº2/ Cap2

Assunto: Estudo dos conceitos Singini, Mvuala, Pakundungu e Pelekete

 

Singini: o termo Singini significa o Talon. Ele é o ponto de partida para qualquer transcrição de Mandombe.

 

Mvuala: o termo Mvuala significa o Estado-Maior ou o Bastão Maior como símbolo de poder.

-Na cultura Kimbanguista, Mvuala é o título honorário e sagrado atribuído aos descendentes de Papa Simon Kimbangu no processo de continuidade da sua obra de geração em geração.

-No Mandombe, o Mvuala é a figura principal na transcrição alfabética ou artística. Qualquer transcrição de caracteres Mandombe começa com o Mvuala.

 

Pakundungu: É o grande som do tam-tam africano que os Reis do Reino do Kongo utilizavam para transmitir informações em todas as províncias do reino.

Em Mandombe, Pakundungu é o termo atribuído a uma das figuras geométricas encontradas na parede de tijolos que lembra o número 5.

Na estrutura do sistema de pensamento Mandombe, Pakundungu representa a grande família de todos os personagens de uma mesma figura.

 

Pelekete: É o belo som do tam-tam africano que os Reis do Reino do Congo usavam para transmitir informações em todas as províncias do reino.

Em Mandombe, Pelekete é o termo atribuído a uma das figuras geométricas descobertas na parede de tijolos que lembra o número 2.

 

Na estrutura do sistema de pensamento de Mandombe, Pelekete representa a grande família de todos os personagens de uma mesma figura.

 

EXERCÍCIOS

Recapitulação

 

PESQUISAS E INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA

Faça as suas pesquisas pessoais com as suas proprias fontes sobre o Mandombe

 

Fim da lição Nº2 do Capitulo II

   
PARTE I

ESTUDO DE MANDOMBE COMO INSTRUMENTO DO RENASCIMENTO AFRICANO MODERNO

CAPÍTULO II                                        

2 ESTUDO PRATICO DE MANDOMBE

2.1 PRINCIPAIS CONCEITOS  DA LINGUAGEM TECNICA DE MANDOMBE  

MOTIVAÇÃO, APRESENTAÇÃO E SAUDAÇÕES  

Olá, sou o Professor Bitombokele Lei Gomes Lunguani, especialista  de Mandombe, há 23 anos. Fui treinado na Universidade Simon Kimbangu, onde fui um dos primeiros discípulos do Professor Wabeladio Payi David.

 

 Minha declaração de compromisso

 Estou totalmente comprometido com o projecto Mandombe, porque estou convencido de que o desenvolvimento da África depende necessariamente do desenvolvimento da identidade cultural e científica dos africanos. E o Mandombe é este instrumento essencial para enfrentar esse desafio.

 

Bem-vindo ao programa de treinamento Mandombe na Universidade Mandombe.

Meu desejo é que   possa também  tornar-se um especialista em Mandombe, qualquer que seja o seu nível de estudo.

 Hoje, nosso curso será baseado no CAPÍTULO II, vinculado à PARTE PRÁTICA DO MANDOMBE. E estudaremos especificamente os conceitos: Singini, Mvuala, Pakundungu e Pelekete.  

O vídeo-Lição Nº2/ch3-concept mandombe é o código de vídeo

 

 Desejo-lhe um bom estudo!

   

VIDEOS

Nº  6 / 7 / 8 / 9

                

VIDEOS

Nº  11 / 12 / 13 / 14


          
 
 

VIDEOS

Nº  15 / 16 / 17 / 18


 

 

TEXTO

 

  

 

TEXTO

 

   

 

TEXTO

 

     

 

TEXTO

 

   

VIDEOS

Nº  19 / 20


 

 

TEXTO

 

   

 

TEXTO

 

 VIDEO Nº 21
 

ESTUDO DOS MVUALA ZA PILUKA

https://docs.google.com/presentation/d/1QUOZZfkLBTMdjHtQfPb1KjiNFv_kKdFunr4uXt4BGr4/edit#slide=id.g8cd155d6e1_0_170  

EXERCICIOS PRATICOS  DO ESTUDO DOS MVUALA ZA PILUKA

            https://docs.google.com/presentation/d/1IlZl1pwZ6P6d83c_uaoal_1BGrr9MPkeBJ591Rp44Bw/edit#slide=id.p 

 

 

 VIDEO Nº22

ESTUDO DOS MVUALA ZA MPIMPITA OU ELEMENTOS COMPLEXO

https://docs.google.com/presentation/d/1k6dJkNPSJzI9M-YPCDysl4hJUYTB7yxgSdVGOsLuiUs/edit#slide=id.g92b7967d8e_0_60

 

EXERCICIOS PRATICOS DO ESTUDO DOS MVUALA ZA MPIMPITA

https://docs.google.com/presentation/d/1EhPucxcsorAzOeyU0nXwP0MS414NKB1JfYFJjj2Lm7U/edit#slide=id.g8cd155d6e1_0_190

 

 VIDEO Nº23

ESTUDO DO SISTEMA ANGULAR MANDOMBE OU MIKA MIA BIKA  

https://docs.google.com/presentation/d/10vtSeQUo5S8gxlXije7XGqEJgmrLPrn4U04hm6Ewchk/edit#slide=id.g9653132722_0_49

 

 

 
 
 
 
   
 
 
 
 
 
 
   
 
 
 
 

 

 

 

 

 

Comments (11)

Afonso Mavila Miguel said

at 7:15 pm on Jul 3, 2020

Parabéns. Uma aula curta e objectiva.

Fernando H. Aurora (Nkobo a Nkobo) said

at 10:03 pm on Jul 6, 2020

As video aulas no.4 e 5 são uma resenha bem suscinta da definição do conceito de Mandombe, nas suas tres vertentes (etimológico, conhecimento cientifico e meio de comunicação; assim como os conceitos de Mvuala, nsingini, pakudungu e pelekete.
Conforme mencionei durante a nossa aula no dia 6 de Julho de 2020, encontrei no Amazon um livro com o titulo “Read and Write In Mandombe”, tendo como autor “Kahunga Editions”, com copyright de 2020.
O livro contém os simbolos da escrita Mandombe, tem exercicios e apresenta alguns textos em mandombe nas últimas páginas.

Educasat said

at 7:47 am on Jul 7, 2020

Obrigado pela partilha Nkobo

Fernando H. Aurora (Nkobo a Nkobo) said

at 7:46 pm on Jul 13, 2020

A video aula no. 6 é muito interessante, no contexto da fundamentação da codificação em Mandombe. O konde como a fonte é um conceito com uma simbologia muito forte. Por exemplo, do konde extraimos os bisimba, os quais suportam os mvuala e que em conjunto (mvuala e bisimba) formam o zita, fundação do mandombe com um sistema de escrita silábico.
Bisima —> suporte; konde —> a fonte; zita —> a conexão e o resultado da conexão (entre mvuala e bisimba).

Fernando H. Aurora (Nkobo a Nkobo) said

at 8:35 pm on Jul 13, 2020

Os conceitos da vídeo aula no. 7 também são interessantes e, de algum modo, intrigantes.
Na primeira perspectiva, mbangi (testemunha) e kimbamgi (o acto de testemunhar); na segunda perspectiva, mbangu (cesto especial, usado para guardar coisas preciosas) e mbangudi (o detentor da chave secreta do mbangu).
Como conciliar plenamente as duas perspectivas ?
Será que o mbangudi foi mbangi da colocação das peças preciosas no mbangu?
Do ponto de vista histórico, é inegável a conexão entre a origem do mandombe e o Papa Simon Kimbangu. Como balancear esta realidade histórica e a necessidade de disseminação do mandombe para a humanidade?
A África (e o mundo em geral) é um autêntico mosaico de realidades culturais. Como estabelecer a ponte para a adopção do mandombe, tendo em conta a “inércia “ criada pela diversidade?

leigomesmandombe@gmail.com said

at 4:31 am on Jul 14, 2020

Meu caríssimo Mano Nkobo, obrigado pelas suas perguntas pertinentes e importantes relacionadas ao estudo do conceito Kimbangu da video aula Nº 7. É com um grande prazer irei esclarecer as suas preocupações.
1- As duas perspectivas da definição do conceito Kimbangu se cruzam tendo um relacionamento de complementaridade.: Kimbangu sendo o Mbangui ou testemunha que apresenta um atestado ou Kimbangui como prova que justifica que o Mbangui esteve presente na altura da ocorrência dos factos. E relativamente a segunda perspectiva, o Mbangui é o testemunha que presenciou o acto de guardar as peças preciosas no Mbangu e logicamente, o Mbangudi é o detentor do segredo do que está guardado dentro do cesto por ser o Mbangui ou testemunha ocular quando se guardou as peças preciosas dentro do Mbangu. Essa logica das palavras relacionadas ao fenomeno da revelação do segredo escondido no cesto pelo testemunha está relacionado à personalidade de Papá Simon Kimbangu como reveladore das coisas ocultas ou escondidas apresentando prova. A descuberta de Mandombe é uma prova indiscutivel da natureza reveladora do Papa Simon Kimbangu. No ducumentario Simon Kimbangu Parte I, a apresentadora Suzanna Scheibel fala da dubla natureza de Simon Kimbangu:
- Kimbangu da Historia
-Kimbangu da fé ou espiritual
Vou vos aconselhar para assistir esse documentario edifiante sobre a personalidade de Simon Kimbangu. Em suma, Papa Simon Kimbangu é a combinação do Mbangui-Mbangudi e Mbangu-Kimbangui.

Educasat said

at 8:29 am on Jul 14, 2020

Sr. Nkobo, segue o link do Documentário ao qual o Professor Bitombokele se referiu: https://youtu.be/45o7jCXvcxY

Fernando H. Aurora (Nkobo a Nkobo) said

at 4:32 pm on Jul 22, 2020

Obrigado pelo link

leigomesmandombe@gmail.com said

at 4:39 am on Jul 14, 2020

De facto, o Mbangudi foi mbangui na colocação das peças preciosas no Mbangu,e Ele prova isso com um Kimbangui que justifica que esteve lá. A revelação de Mandombe é a ilustração do cruzamento dessas 4 palavras que identificam e define a personalidade de Papa Simon Kimbangu.

Fernando H. Aurora (Nkobo a Nkobo) said

at 10:08 pm on Jul 28, 2020

A vídeo aula no. 8 sumariza a estrutura organizativa do Mandombe, como conhecimento científico. Esta estrutura organizativa pode ser adoptada num contexto de organização social.
Nkangu dia Masono da Mandombe é a superestrutura que engloba todos os que aprendem ou aprenderam o Mandombe. Os Ma Kekete são os responsáveis; o Nsanda é a plataforma de aprendizagem/ensino/prática do Mandombe. O Nsanda tem um chefe/coordenador (Mfumu a Nsanda). E não haveria Nsanda sem Nkua Mazayi e Nkua Nduenga. Para garantir a sobrevivência do Nsanda é necessário a contribuição (Kinzu) dos participantes do Nsanda. O paralelo destes conceitos no contexto organizacional social é evidente, não é verdade?
O Sama dia Mandombe é o título honorífico do inventor do Mandombe (a quem foi revelado e transmitiu aos primeiros Nkua Nduenga).

You don't have permission to comment on this page.